TECONOLOGIA DA INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS

APRENDER A APRENDER – O Princípio de Tudo!

In ARTIGOS E OPINIÃO on 04/02/2012 at 14:00

Hoje, vivemos um paradigma na educação. Embassados nos ditares freireanos da educação sócio-construtivista, nós professores, somos impelidos a levar a educação como educador que incentiva, que distribui o conhecimento, que peleja informar e praticar conteúdo e fazer com que a prática seja saudável companheira da teoria no dia a dia do alunato, que hoje, classifica-se como educando.

Então, nós, ex-professores e hoje educadores estamos reciclando conhecimento e absorvendo os mais variados pratos de saberes tornando-se gestores educacionais modernos.

Aprendemos a construir ambientes para o aprendizado cada vez mais interativos, cada vez mais focados no saber fazer.

O educando deve hoje receber saberes que o coloquem frente a frente com o fazer para aprender sempre em um feedback de novos aprendizados.

Bom, isso tudo é muito bonito, porém, esqueceram de preparar o aluno para receber esse tipo de informação, o aluno ou educando não tem interesse em fazer, não tem interesse em mudar de sistema.

Alguém precisa dizer para os educandos que eles , hoje, não são mais simples e eméritos expectadores, que hoje eles estão do lado de dentro do palco, que fazem parte do espetáculo e são atores atuantes e não figurantes do espetáculo e que o educador é um orientador e facilitador do aprendizado e não um simples passador de informações, mas sim formador de cabeças pensantes.

O problema é que pensar custa. Custa muito cansaço e muito mais mudanças de hábitos, afinal, para que mudar? Se está bom, deixa como está.

O educando precisa saber que tudo mudou, precisamos, em um mundo globalizado, de cabeças pensantes, afinal, o Brasil está entrando para o grupo de seletos países ditos desenvolvidos e considerados potências mundiais.

O aluno-educando precisa entender de uma vez por todas, que desenvolvimento não acontece por acaso e muito menos as custas de assistencialismo em toda a concepção da palavra.

Assistir não é mais a palavra da vez, agora é fazer acontecer para ter o que assitir.

Então, façamos acontecer, começemos do zero, coloque tudo novo na sua cabeça, comece por aprender a aprender.

Abraços e fiquem na PAZ

Prof Mario Costa

Anúncios

Como capacitar as equipes para a tomada de decisão – CIO

In ARTIGOS E OPINIÃO on 09/05/2013 at 11:53

Como capacitar as equipes para a tomada de decisão – CIO.

Como capacitar as equipes para a tomada de decisão

Pode-se perder uma grande negociação apenas pelo titubear de decisão numa reunião. Sua equipe sabe quando e como decidir?

Bob Kantor *

Publicada em 09 de maio de 2013 às 07h10

A maior parte dos gerentes deseja que integrantes de suas equipes façam mais por conta própria, sejam mais proativos quando quanto à tomada de decisão e ao momento de agir, em vez de sempre esperar pos uma instrução. Caso você seja um gerente buscando tais resultados, você pode utilizar o modelo de “Árvores de Direitos de Decisão”, um dos modelos mais práticos e mais usados para definição de responsabilidades e papéis em um processo.

Existem dois benefícios em utilizar um modelo de árvore de decisão. Um é o de conectar pessoas com o poder que elas têm de serem capazes de fazer tudo o que devem ser capazes dentro de seus papéis. O segundo é esclarecer para todos “quem é responsável pelo que”, ou quem possui a autoridade de tomar quais tipos de decisão.

Outro modelo de direitos de decisão é o chamado Matriz RACI, para definir e distribuir as responsabilidades e papéis envolvidos em um processo. Serve como uma ferramenta que designa quatro responsabilidades para qualquer tipo de processo, tarefa ou atividade: responsabilização, aprovação, consultoria e informação. RACI é oacrônimo (em inglês) para Responsible (responsável), Accountable(autoridade para aprovar), Consulted (consultado), e Informed(informado).

Ao lidar com direitos de decisão relacionados a processos, a estrutura RACI é muito útil. Ao falar sobre direitos de decisão relacionados a pessoas, contudo, algo mais simples ao que tange o impacto da decisão e o potencial de revisar a decisão nos dá uma estrutura mais útil.

A estrutura do ‘tipo’ de decisão
Uma metáfora para esta estrutura é pensar em uma árvore como tendo um conjunto de raízes que a sustenta, um tronco que a suporta, galhos que são estruturas auxiliares e folhas nesses galhos. Então temos raízes, tronco, galhos e folhas.

Em termos de impacto, se uma árvore perder suas folhas, esse será um impacto pequeno. Então, que tipos de decisão ou escolha você deve delegar para as folhas em uma árvore? Aquelas nas quais um erro tenha um impacto  relativamente pequeno ou neutro.

Uma árvore pode perder muitos galhos frequentemente com um impacto relativamente pequeno. Existe o tronco, que pode indiscutivelmente incluir galhos maiores. Mas caso um galho maior ou o tronco se partam, isso pode ser catastrófico para a saúde da árvore. Por último, existem as raízes, que são o suporte fundamental para a própria árvore. Qualquer coisa que comprometa a integridade das raízes resulta na morte da árvore.

Em termos de aplicação prática, primeiro observe todos os tipos de papeis e responsabilidades que o seu pessoal tem. Observe sua liderança de segurança, sua liderança de aplicações, sua liderança de infraestrutura e assim por diante.

Dentro de cada um desses domínios, existirão tipos de decisão que serão fundamentais, significando que elas são as raízes onde você não pode tolerar erros. E existem as decisões do tipo tronco e galho, onde você pode ser capaz de tolerar um ou dois erros, mas cujo impacto seria significativo e levaria certo tempo para recuperar-se.

As decisões relacionadas aos galhos você provavelmente irá querer saber do que tratam, mas não precisa aprová-las. As decisões do nível do tronco, você precisará saber e aprovar, mas não precisará de muito tempo para deliberar sobre elas ou abordá-las. Decisões do nível da raiz são, muitas vezes, as decisões que você precisará tomar parar si mesmo ou as quais você precisará estar profundamente envolvido na deliberação.

O efeito de diferentes ‘níveis’ de decisão

Esta é uma maneira simples de observar os tipos de decisão que cada um de seus funcionários terá a oportunidade de tomar, com base no nível de impacto da decisão. A outra consideração é a facilidade com a qual tais decisões podem ser revisadas, ou até mesmo revertidas.

Decisões que estão no nível das folhas são geralmente bem passíveis de revisão, pois seus efeitos são relativamente pequenos. No nível dos galhos, elas tipicamente também são passíveis de revisão ou são reversíveis.

Um exemplo seria um programa de criação de decisões ou um cargo funcional assumido em uma reunião interna. Grande parte das decisões como estas é tomada internamente, em conjunto com os colegas de trabalho. Caso você tivesse de descobrir sobre elas dentro de alguns dias, e caso você tivesse qualquer problema ou preocupação sobre tais decisôes, não seria difícil reunir o grupo envolvido e talvez até mesmo revertê-las.

Contraste isso com quando seus funcionários estão trabalhando fora da organização de TI, talvez com indivíduos sêniores em uma unidade de negócios. Aqui, caso você saiba da decisão vários dias depois e a mesma lhe preocupe, revertê-la seria mais difícil ou desafiador com base na força do relacionamento, ou devido a qualquer ação posterior que a unidade de negócios possa já ter desempenhado.

Observando exemplos como esses, poderíamos dizer que as decisões internas, a menos que comprometam recursos significativos de maneira irreversível, seriam decisões do nível de galho. Decisões internas que comprometessem recursos significativos que não fossem reversíveis _ um contrato de fornecimento, por exemplo_ seriam decisões do nível de tronco.

Decisões ou posições tomadas fora da organização com outros acionistas importantes também seriam de nível de tronco. E contratos de longo prazo, compras importantes, comprometimentos com a estratégia, seriam exemplos de decisões do tipo raiz, que você reservaria para si mesmo.

Determinando uma política de aprocação e notificação

Quando o assunto são as decisões de nível de galho, apesar de que você não precisa raprová-las, você precisa ser informado sobre elas no momento em que são tomadas, e sua equipe de funcionários precisa garantir que você seja informado sobre as mesmas. Este é um ponto crítico.

E-mails dos funcionários sobre decisões do nível de galho podem ser perdidos dentre pilhas de outros e-mails e talvez não sejam visualizados por seu gerente de maneira recorrente. Portanto, é essencial dar seguimento enviando outro e-mail para a confirmação de que o primeiro foi visualizado, ou marcar o e-mail inicial como uma prioridade, ou passar pelo escritório de seu gerente para avisá-lo de que você enviou para ele um e-mail detalhado relacionado a uma recente decisão e que você gostaria que ele o analisasse no caso de existirem quaisquer dúvidas ou preocupações para que as mesmas sejam abordadas o mais cedo possível e antes que revertê-las seja um problema.

Uma vez que você tenha decidido aplicar um modelo assim, a próxima etapa é envolver sua equipe de funcionários na interpretação e personalização de seus ambientes. Isso pode ser iniciado através do pedido para que cada um de seus funcionários defina o que eles acreditam ser os quatro níveis diferentes de decisão, incluindo exemplos. Você começará a ver coletivamente qual a aparência do modelo, e poderá colaborar para fazer mudanças ou correções a partir daí.

Isso lhe dá uma estrutura inicial para operar. Presuma que torná-la eficiente é um processo interativo, e que as pessoas interpretarão coisas de maneiras diferentes e cometerão alguns erros.

Decisões que você precisa tomar coletivamente podem ser decisões do nível  tronco. Decisões que você não precisa tomar de maneira coletiva, mas que todos precisam saber, podem ser decisões do nível galho. E então chegamos às decisões do nível de folha que não apareceriam em reuniões de forma alguma, pois são decisões operacionais diárias que normalmente ficariam limitadas a cada departamento.

Utilizando as operações de TI como uma ilustração: os padrões tendem a serem decisões de nível de raiz ou de tronco, no sentido de que você ou precisa tomá-las, ou precisa aprová-las. Todos os seus diretores devem estar envolvidos no processo de tomada de decisão, pois definir padrões afeta todos a um nível fundamental.

Considerando a seleção de produtos, contanto que a seleção de produtos seja baseada nesses padrões, ela pode ser considerada uma decisão de nível de galho. Todos precisam saber sobre ela, mas não necessariamente precisam estar envolvidos no processo de aprovação ou de decisão, a menos que ela termine por ser uma ferramenta que será utilizada por todos os departamentos.

Utilizando o desenvolvimento de aplicativos de TI como uma ilustração: caso você esteja comprando ferramentas para manutenção e desenvolvimento de código fonte, você provavelmente não precisa da aprovação dos colegas da área de operações. Se, por outro lado, você estiver selecionando uma ferramenta que será utilizada para o monitoramento de desempenho, e desejar que toda função utilize a mesma ferramenta para o monitoramento de desempenho, então isso provavelmente parece mais com uma decisão de nível de tronco, onde todos precisam aprovar.

A maior parte da discussão acima e os exemplos foram objetivados para os níveis mais altos da organização de TI. Contudo, este mesmo modelo rapidamente cascateia para todos os níveis da organização. Os lideres de equipe, em qualquer nível, podem identificar seus próprios tipos de decisões de nível de raiz, tronco, galho e folha. E podem trabalhar com seus membros de equipe para acordar sobre quem possui quais direitos de decisão, para capacitá-los a assumirem as tomadas de decisão de maneira mais responsável.

(*) Bob Kantor é coach de gerentes de TI e consultor especializado em melhorar a eficiência das lideranças de TI

20 dicas para turbinar o armazenamento na nuvem – PC WORLD

In ARTIGOS E OPINIÃO on 01/05/2013 at 15:34

Organize seus dados, automatize uploads, sincronize informações, ganhe espaço extra e muito mais com estas dicas e serviços, muitos deles gratuitos.

Armazenamento online não é só para fotos e documentos. Com as ferramentas e serviços certos, você pode fazer muito mais: organizar dados, automatizar uploads e downloads, sincronizar informações, ganhar espaço extra sem gastar um centavo, hospedar um site em um serviço na nuvem e até imprimir.

E o melhor de tudo: a maioria dos serviços que mencionamos a seguir tem o mesmo preço: zero. Continue lendo para aprender como tirar proveito deles de formas que você nem sonhou que seriam possíveis.

1. IFTTT move seus dados de um lugar pra outro

O serviço online “If This Then That” (“Se isso, então aquilo” em tradução livre, ou IFTT para os íntimos) foi praticamente criado pensando em armazenamento online, e pode ser configurado para transportar dados de um serviço para outro. Por exemplo, há uma “receita” (nome dado aos conjuntos de ações) pronta queenvia automaticamente para o SkyDrive quaisquer fotos no Facebook onde você seja marcado. Outra receita arquiva mensagens do GMail numa conta no Box. Você pode até salvar todas as suas fotos do Instagram no Dropbox. Estas são só algumas das receitas criadas por outros usuários, mas você pode criar suas próprias baseadas em qualquer ação/reação que imaginar.

2. Um serviço para dominar os outros

Não é incomum um usuário ter arquivos espalhados por múltiplos serviços online. O problema com isso é encontrar o que você procura. O Otixo facilita a tarefa dando acesso ao Amazon S3, Box, Dropbox, SugarSync, Google Drive e outros serviços em um só local. Você pode fazer buscas em todas as contas, visualizar e compartilhar documentos e fotos e até mover ou copiar arquivos de uma nuvem para a outra. O Otixo custa U$ 4.99 mensais, ou US$ 47.90 por ano.

3. Envie anexos para o seu disco virtual

Geralmente na hora de enviar um arquivo para um disco virtual é necessário usar uma interface web, ou um aplicativo no desktop ou dispositivo móvel. Mas há uma outra forma: e-mail. O Evernote e o SugarSync, por exemplo, criam um endereço de e-mail único para cada conta para onde você pode enviar arquivos como anexos. O Send to Dropbox é um serviço gratuito que faz a mesma coisa com o Dropbox, e o Drv.io (atualmente em beta) funciona de forma similar com o Google Drive.

4. Migre seus arquivos de um serviço para o outro

Se você esgotou o espaço em sua conta gratuita no Dropbox e quem migrar para algo mais “espaçoso” como o Skydrive, experimente o Mover, um app gratuito que o ajuda a transferir arquivos de um serviço para outro. Ele suporta o Box, Dropbox, Google Drive, SugarSync, servidores FTP e quase qualquer outro sistema de armazenamento online que você possa imaginar. Há um certo aprendizado envolvido, então talvez você precise da ajuda de um profissional de TI para começar.

5. Transforme a nuvem no destino padrão

Por padrão a maioria dos navegadores coloca os arquivos baixados em uma pasta Downloads, e daí você as envia para o seu serviço de armazenamento online favorito. Mas que tal eliminar o intermediário? Modifique a configuração de seu navegador e indique como pasta de download uma que esteja sendo automaticamente sincronizada com seu disco virtual. Agora você tem um backup automático de todos os arquivos que baixar.

6. Salve anexos do Gmail na nuvem

Attachments.me, uma extensão gratuita para o Chrome e Firefox, permite salvar anexos em mensagens do Gmail no Box, Dropbox, Google Drive ou SkyDrive com apenas um clique. Você também pode definir regras para que anexos em futuras mensagens de contatos específicos sejam enviados automaticamente para o serviço de sua escolha.

7. Sincronize pastas ilimitadas entre PCs

Cubby funciona de forma similar ao Dropbox, mas com uma vantagem: ele permite sincronizar um número ilimitado de pastas entre seus PCs. Você pode usar este recurso para compartilhar álbuns de fotos com familiares ou documentos com colegas de trabalho, ou para fazer o backup de dados importantes em um PC extra. Tudo o que você colocar em uma das pastas compartilhadas será automaticamente sincronizado com os sistemas remotos.

8. Sincronize qualquer pasta com sua conta no SkyDrive

O SkyDrive lhe dá 7 Gb de espaço online grátis, mas há um porém: só os arquivos armazenados dentro da pasta SkyDrive são sincronizados com o serviço. Mas o SkyShellEX, do desenvolvedor Jan Hannemann, faz alguns truques por debaixo dos panos e permite sincronizar qualquer pasta. O truque exige que você permita que o utilitário mova os arquivos de sua localização original, mas de seu ponto de vista, sua estrutura de pastas permanecerá a mesma. Leia o post de Hannemann em seu blog para uma explicação mais detalhada de como tudo funciona.

9. Sincronize a configuração do navegador entre vários dispositivos

Você provavelmente passou anos criando uma coleção de favoritos, então faz sentido ter um backup deles. Tanto o Chrome quanto o Firefox tem um sistema integrado para sincronização de favoritos, que irá preservá-los na nuvem (útil caso algo aconteça com seu PC e você perca dados) e também copiá-los para outros PCs rodando o mesmo navegador.

Se você usa o Internet Explorer ou Safari, ou usa navegadores diferentes em diferentes máquinas, experimente o Xmarks, um serviço gratuito que faz a mesma coisa, e também permite acessar uma lista com seus favoritos em qualquer aparelho com um navegador e uma conexão à internet.

Espaço e mais espaço

10. Consiga mais espaço

Uma conta gratuita no Dropbox lhe dá 2 GB e espaço em disco. Já o SugarSync oferece 5 GB. Nada mal, mas espaço em disco nunca é demais, e felizmente ambos os serviços permitem que você consiga espaço extra sem abrir a carteira. Por exemplo, indique o SugarSync a um amigo e, se ele criar uma conta, você ganha mais 500 MB. O Dropbox também oferece isso, mas lhe dá ainda mais espaço se você completar uma lista de tarefas chamada “Getting Started”, conectá-lo a suas contas no Twitter ou Facebook e realizar outras tarefas.

11. Crie seu próprio serviço de armazenamento na nuvem

Se você mantém um site, pode ter uma boa quantidade de espaço online sobrando. O OwnCloud ajuda a transformar este espaço em um “Dropbox privado”, com a capacidade de sincronizar e compartilhar arquivos, calendários, notas e mais. Você pode usá-lo com um domínio já existente ou até mesmo em um servidor Linux que esteja sobrando em casa ou na empresa, e a partir daí o céu é o limite. A configuração exige um pouco de conhecimento técnico, mas o site LifeHacker tem um ótimo tutorial detalhando o processo.

12. Compartilhe espaço para ganhar espaço

Symform trabalha com a idéia de que você deve oferecer um pouco de espaço para ganhar mais espaço. Cada usuário começa com 10 GB, e você pode aumentar esse limite “doando” alguns gigabytes de seu HD para uso por outros membros da rede. Se você doar 100 GB de seu HD, por exemplo, ganhará mais 50 GB em sua conta. Tudo de forma segura, criptografada e gratuita.

13. Salve conteúdo para ler depois.

Acontece o tempo todo: você nota um artigo interessante em um site, mas não tem tempo para lê-lo agora. Mas se você for usuário do Instapaper ou do Pocket, basta um clique para “clipar” a página e guardá-la para depois. Ambos os serviços também são capazes de reformatar o conteúdo, eliminando distrações, destacando o texto e facilitando a leitura em dispositivos móveis.

14. Liberte suas músicas

Mande sua coleção de músicas para a nuvem e você poderá acessá-la em qualquer lugar, e de quebra ganha um backup. Uma das melhores opções é o Google Play Music, que permite que você armazene gratuitamente até 20 mil músicas – incluindo aquelas compradas no iTunes – e as acesse em outros PCs ou aparelhos através de uma interface web ou apps como o Play Music em smartphones e tablets Android. Você pode até baixar as músicas lá armazenadas de volta para o seu PC se quiser.

Para criar uma conta no Google Play Music você precisa estar conectado à internet em um PC com um endereço de IP norte-americano, já que o serviço não está disponível oficialmente no Brasil. É possível contornar este problema usando um serviço de VPN como o Hide My Ass. Mas depois de criar a conta você pode fazer o upload e download de músicas, e escutá-las, a partir de qualquer aparelho, sem restrição de região.

15. Publique um blog ou um site

Se você precisar de um site pra já e não quer pagar taxas de hospedagem e domínio, dê uma olhada noPancake.io. Este utilitário gratuito transforma arquivos texto em páginas web e as envia para o Dropbox, que funciona como “servidor”. Quem tem mais experiência com a web vai gostar de ver que o Pancake.io também tem suporte a arquivos CSS, PDFs, GIFs e outros tipos de arquivos.

16. Faca backup de seu blog ou site

É fundamental ter um backup de seu site, seja ele um blog pessoal ou o site de sua empresa. Você nunca sabe quando um hacker vai atacar, ou quando um problema no servidor pode acontecer. Se você usa o WordPress, instale o plugin WordPress Backup to Dropbox para automatizar o processo. Já oBackup Box pode arquivar sites do Drupal, Joomla, WordPress e outros gerenciadores de conteúdo em quase qualquer serviço de armazenamento online. Ambas as opções são gratuitas.

Trabalhe offline

17. Acesse seus documentos do Google Docs mesmo offline

O Google Docs é ótimo para criar e editar documentos de vários tipos, mas se você ficar sem acesso à internet, ficará sem acesso a eles, certo? Errado: o Google Drive for Windows sincroniza seu disco online com o disco local, tornando seus documentos disponíveis mesmo quando você não tem acesso à internet.

18. Acesse seus documentos do Dropbox mesmo offline

Você usa o app do Dropbox em seu smartphone ou tablet? Pois saiba que existe uma forma de deixar alguns documentos disponíveis para acesso offline. Basta abrir o documento e clicar no ícone da estrela para adicioná-lo à sua lista de favoritos. O app armazena os favoritos localmente, então você pode acessá-los mesmo quando não há conexão à internet.

Escaneando e imprimindo

19. “Imprima” documentos do iPhone no Dropbox

O software para Windows FingerPrint, da Collobo, permite a um iPhone ou iPad imprimir em qualquer impressora conectada a uma rede, mas também permite a “impressão virtual” em serviços online como o Dropbox ou Evernote. Com isso você pode enviar quase qualquer e-mail, foto, página web ou item que possa ser impresso direto de seu tablet ou smartphone para seu disco virtual. Só há um detalhe: o FingerPrint custa US$ 19,95.

20. Transforme seu smartphone ou tablet em um scanner

A câmera integrada ao seu smartphone ou tablet provavelmente tem resolução suficiente para capturar documentos. Tudo o que você precisa é do app certo para enviar o resultado para o seu serviço online favorito. Por exemplo, tanto o Doc Scan (grátis no iOS), Genius Scan (US$ 1,59 para Android) e Handyscan(US$ 2,99 para Windows Phone) são capazes de fotografar um documento, convertê-lo para PDF se necessário e enviar o resultado para o Dropbox, Google Drive, SkyDrive ou serviço similar.

20 dicas para turbinar o armazenamento na nuvem – PC WORLD.

%d blogueiros gostam disto: